Buffettology: o método Warren Buffet de investir, parte 01

porFernando Pinheiro

Buffettology: o método Warren Buffet de investir, parte 017 min read

Atenção: a resenha não é um resumo, isto é, não representa uma cópia ou análise fiel da obra referenciada, são apenas comentários e observações do livro, caso queira adquirir a obra na íntegra, clicar neste link: e-book da amazon.


Este livro foi escrito por uma das esposas de um dos filhos de Warren Buffett – Mary Buffet a qual a firma que logo nos primeiros anos de casamento com um de seus filhos já descobrira os segredos de investimentos do maior ícone do mundo da bolsa do mundo, no entanto, fez voto de silêncio, ao menos durante o tempo em que estivesse casada com o moço.

Após o casamento, que parece ter durado 7 anos, ela, em parceria com uma pessoa a qual é bom de cálculos, resolveram publicar a metodologia dele, a qual será elencada resumidamente nos seguintes parágrafos:

 – Ele não se interessa pela média, como a Standard and Poor’s relata mas é um intensivo explorador das empresas individuais a qual investe

 – Procura investir nos tipos de empresa cujos produtos pode entender seja por sua sazonalidade, tipo de mercado etc..( não gosta de investir em empresas as quais apresentam sazonalidade, como companhias aéreas que faturam mais em épocas de férias

 – Em vez de “ficar atirando para todo lado” Warren se concentra em poucas empresas e se torna especialista naquele tipo de negócio/área

 – Procura comprar ações de empresas que detém certo monopólio de mercado por isso é um dos maiores detentores de coca-cola (bebidas/refrigerantes)

 – O melhor tempo para vender as ações é nunca, uma vez que o foco dele é o retorno anual da empresa, numa perspectiva ao menos de 10 anos para frente..

 – O livro mostra que Warren tem uma visão de longo prazo para com a empresa como se realmente fosse – e é/torna – dono da empresa, diferentemente dos técnicos ou maioria dos investidores de Wall Street que preferem atuar no curto prazo…

Curiosamente e com razão, Warren não paga dividendos, uma empresa com mais de 70 anos de idade a Berkshire Hathaway –  BRK-A, a qual pode ser comprado por qualquer home broker de corretora americana, cuja cotação está na casa de $215,00 (julho/2019) recebe em média 20% de valorização todos os anos – há mais de 32 anos – , seus dividendos são gigantescos, apresenta dívida mínima, no entanto não deposita participação para seus acionistas, uma vez que, entre os motivos citados no livro, afirma que a pessoa física individual pagaria, em média 15% de imposto sobre o recebimento, bem como iria diluir seu capital investindo em empresas as quais não remunerariam tão bem quanto Buffett, então ele prefere, como presidente da empresa, reinvestir os dividendos, garantindo, por este modo, a valorização do Ticker.

Em um momento do livro Mary afirma que são três variáveis as quais Warren procura em suas ações:

1 – annual profit, isto é, os dividendos mais somatórios de juros sobre capital bem como eventuais proventos, tal pode ser vistos nos sites de análises como payout anual

2 – Previsão de rentabilidade, este índice pode ser analisado com o fluxo de caixa da empresa, histórico de lucros, e endividamento, o que torna possível sim, prever se continuará lucrativa ou não.

3 – Preço da ação.

A autora faz algumas simulações para exemplificação a fim de demonstrar como o preço determina/influencia sobremodo a compra ou venda do ativo. Afirma que quanto menor o preço do ativo – share – maior o retorno e quanto maior o preço do ativo, menor o retorno, isso quando falamos sobre aquelas empresas que pagam dividendos. Há casos de empresas as quais não pagam dividendos, mas que, em contra partida, espera-se um crescimento exponencial no futuro, compensando o investidor no caso da venda do ativo. 

De maneira sábia Mary afirma que o investidor consciente compra ações baseado em uma perspectiva de negócio, assim como quando ocorrem fusões de uma empresa com a outra, a parte que compra uma empresa procura um aumento de sua renda anual com o faturamento desta empresa incorporada, diferentemente daqueles investidores que compram por pura especulação, a qual faz com que estas mesmas pessoas comprem por esperança. a existência da especulação no mercado explica os diferentes preços de ações, às vezes baixo, por frustrações ou baixas perspectivas, às veze alto demais por esperanças demasiadas ou inflações artificiais.

Assim como os gerentes de contas bancárias ganham na venda de produtos bancários, quanto mais altos os produtos a serem vendidos a seus clientes melhor, assim os gerentes o responsáveis das corretoras também procuram “vender” os produtos de corretora para os pequenos e grandes investidores, pois assim ganham em comissões.

No entanto, o foco do investidor não deve ser movimentar em comprar e vender freneticamente seus ativos, mas simplesmente saber o que comprar e pagar o preço. O próximo passo é receber as gratificações a nível anual.

A autora comenta que, se tivéssemos colocado 500 dólares na Berkshire a 32 anos atrás, hoje teríamos mais de 100 mil dólares, logicamente este cheque não iria chegar em sua porta, nem mesmo o imposto seria cobrado do investidor, caso permanecesse este investimento com a Berkshire. O imposto é cobrado imediatamente, assim que “sacado” o dinheiro da corretora.

A autora comenta algo o qual podemos ver os efeitos “catastróficos” do hábito de economizar anos a fio e perder a noção em deixar de usufruir um conforto merecido em torno de algumas centenas de dólares a mais:

Warren anda, mesmo após os 60 anos de idade em um carro relativamente velho na cidade de nascença e mora na mesma casa simples há mais de 40 anos…

Mary diz que na Washington PostGEICO, Warren conseguiu, por mais de quinze anos, rentabilidades de 15 a 20% ao ano, independente da troca de presidentes.

Algo bem interessante em termos de rendimento via payout ratios, onde o dividend yeld está presente é o que a Mary comenta no livro que, onde menor o preço a se pagar na ação, a tendência do rendimento será maior e o contrário também é verdadeiro, onde maior o preço a se pagar na ação, menor será o payout ao longo dos anos. Por exemplo, numa postagem do Guiainvest alguns dias atrás, houve um dado onde Warren, se não me falha a memória conseguiu 150% de rendimentos em uma determinada ação, isto porque, quando ele comprou aquela ação por alguns centavos, a mesma já pagava na casa de 10% de dividendos anuais, acontece que a precificação da empresa aumentou significativamente, lhe dando, 10 anos mais tarde 3 ou 4 reais de rendimentos anuais, o que significa, dentro do preço pago vários anos antes, um rendimento muito superior ao preço pago pela ação…

Algo muito interessante, divisor de águas para Warren, que determina se ele investe em uma determinada empresa ou não é o tipo de mercado ao qual esta está inserida. Há dois tipos de empresas a se investir neste cenário, as quais podem ser denominadas:

  1. Empresas de consumo: as empresas de consumo, como o próprio nome diz, são empresas as quais têm como foco o consumidor final, identificáveis como aquelas as quais apresentam muita concorrência no mercado, cujo fator determinante, na escolha do consumidor, será o preço. Também conhecidas como low costs (aviação?) as empresas com políticas de preços baixos, terão margens de lucros pequenas, terão de criar frequentemente novos produtos, alterar a forma de apresentação das marcas, modificar embalagens e, portanto investir em propaganda, a fim de manter um nível aceitável de vendas, o que resultará em uma remuneração por ação moderada ou modesta para o investidor. Warren evita tais empresas. Continua>>>

Sobre o Autor

Fernando Pinheiro administrator

Fernando Pinheiro é formado em Administração de Empresas com especialização em Gestão Empresarial. Professor convidado em várias Universidades do Noroeste e Norte do Paraná, montou este blogue sobre Finanças e Investimentos para ajudar a você se tornar mais próspero.

Deixe uma resposta