Categoria Bitcoin

porFernando Pinheiro

Como evitar a corrosão de Capital por meio do swap de stable coin da Tezos

Uma das grandes preocupações das pessoas que estão migrando para as altcoins e Bitcoin nos últimos meses, é a corrosão de capital causada pela queda nos preços destes ativos, como evitar tal perda é o objetivo deste artigo.

 

É notório como a queda do preço do Bitcoin despencou nos últimos 90 dias, chegando à marca de aproximadamente 50% do valor cotado no mesmo período, como podemos ver na imagem abaixo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: trading view.com

Tal queda causa preocupação aos traders e holders do ativo, até porque, sendo uma referência no mercado de criptomoedas, esta queda traz consigo a queda no preço de muitos outros ativos, correlatos, como Ethereum, Binance entre outros.

Quais foram os motivos para a queda geral dos preços de cripto ativos?

Entre os fatores que causaram esta diminuição do preço do Bitcoin, puxando os demais ativos para preços de semanas e meses atrás, poderíamos elencar vários fatores, como o banimento de empresas de mineração na China, comentários pejorativos de gastos ineficientes de energia na geração de criptomoedas entre outros, mas o que importa é….

Como evitar a corrosão de capital com a queda dos ativos em Criptomoeda?

Há várias estratégias que holders e traders utilizam, sendo elas mais ou menos agressivas, dependendo do perfil de cada um. Uma destas estratégias, talvez uma das mais conservadoras, é realizar o swap do ativo para um stable coin, ou melhor explicando, para uma moeda lastreada em fiat money, no caso o dólar.

Tal medida serve não só para evitar a grande volatilidade existente em outras moedas ou altcoins, mas também, para servir como reserva de valor em moedas às quais, historicamente, têm poder de compra maior do que as outras moedas de países emergentes, como o real e peso argentino, por exemplo.

Cientes que pequenos e grandes investidores ao redor do mundo procuram alocar seu capital ante moedas fortes como libra, dólar e euro, diversos foram os projetos em blockchain para suprir tal demanda.

Plataformas de swap em Tezos auxiliam pequenos e grandes investidores a evitar perda de capital. Uma dessas plataformas é a https://quipuswap.com/ ou mesmo a web wallet da Tezos a Thanos, que pode ser baixada aqui.

Uma vez enviada a quantia de Tezos para tal carteira (web wallet), basta clicar em swap e converter o ativo tezos para usdz, cujo contrato inteligente por ser consultado aqui: https://tzkt.io/KT1LN4LPSqTMS7Sd2CJw4bbDGRkMv2t68Fy9

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bom lembrar que, para realizar a operação, assim como ocorre na rede Ethereum, também na rede Tezos será necessário um pouco deste Token, como taxa, para realizar o swap de Tezos (volátil) para usdtz (pouco volátil).

No caso em tela, a operação foi somente para testes, onde converti o equivalente de tezos para 10 dólares em stable coin, e as taxas foram pouco mais que 2 centavos de dólar. Bem mais barato do que taxas na casa de centenas de dólares, para qualquer operação, quando Ethereum estava na alta em seus preços e a rede congestionada.

Após a conversão, o ativo UDSTZ não apareceu diretamente na carteira, precisei clicar em manage e adicionar o contrato do token (listado acima) na carteira para que esta aparecesse, juntamente com outros ativos padrão, listados na web wallet, como o próprio Tezos e Wrapped Tezos.

Conclusão

Com alguns cliques, investidores de qualquer porte podem facilmente evitar a corrosão de capital causada por fortes movimentações no mercado de criptomoedas voltando a sua atenção para as stable coins, ativos lastreados na blockchain as quais espelham moedas-padrão de países como Estados Unidos e Londres, servindo, também, como reserva de valor.

 

porFernando Pinheiro

Como minerar numa pool usando XMMrig – gerar Monero em casa

O guia abaixo constitui em um tutorial sobre como minerar altcoins, no caso Monero, a partir de sua casa ou de um computador em nuvem, a fim de receber unidades desta criptomoeda a qual, na data da publicação desta matéria está na casa de $253,00 – duzentos e cinquenta e três dólares a unidade

Como minerar numa piscina usando o XMRig

Wallet

Antes de começar, você já precisa ter uma carteira configurada e funcionando. O pool precisa saber o endereço da sua carteira para poder enviar pagamentos para lá. Consulte o guia Aceitando Monero para obter mais informações.

Lucratividade

Antes de minerar, você deve decidir se vale a pena ou não para você. Você tem que decidir isso por si mesmo, com base nos custos de energia e no hardware disponível. Existem muitos sites, como o CryptoCompare, que permitem que você insira a velocidade e o consumo de energia do seu minerador, e mostra o lucro (ou prejuízo) por semana / mês.

Baixar o Minerador

O primeiro passo é baixar o software de mineração para o seu computador.

Windows

O desenvolvedor XMRig fornece binários pré-construídos para usuários do Windows. Eles estão disponíveis na página de lançamento do GitHub.

Role para baixo até ver xmrig-VERSION-msvc-win64.zip. Baixe este arquivo e extraia o arquivo em algum lugar memorável, como sua área de trabalho.

Ubuntu Linux

O desenvolvedor XMRig fornece binários pré-construídos para Ubuntu Xenial Xerus (16.04). Eles podem funcionar em outras versões do Ubuntu e em outras distribuições, mas isso não é garantido.

Esses binários estão disponíveis na página de lançamento do GitHub.

Role para baixo até ver xmrig-VERSION-xenial-x64.tar.gz. Baixe este arquivo, extraia o arquivo em algum lugar memorável, como seu desktop.

 

Outro Linux

Os usuários de outras distribuições Linux podem compilar o XMRig a partir da fonte. Em primeiro lugar, instale as dependências:

# Para distros baseadas em Debian

sudo apt install \
build-essential \
cmake \
git \
libhwloc-dev \
libssl-dev \
libuv1-dev

Baixe o código-fonte do XMRig:

git clone https://github.com/xmrig/xmrig.git

cd xmrig

Configure e compile o XMRig:

cmake -Bbuild
make -Cbuild -j$(nproc)

 

Copie a configuração binária e de exemplo para seu diretório inicial:

cp build / xmrig ~ /
cp src / config.json ~ /

macOS Build

Em primeiro lugar, instale o XCode e o Homebrew.

Use o Homebrew para instalar dependências:

brew install \
cmake \
hwloc \
libmicrohttpd \
libuv \
openssl

Baixe fontes XMRig:

git clone https://github.com/xmrig/xmrig.git

cd xmrig

Configure e compile o XMRig:

cmake -Bbuild -DOPENSSL_ROOT_DIR = / usr / local / opt / openssl
make -Cbuild -j $ (nproc)

Copie a configuração binária e de exemplo para seu diretório inicial:

cp build / xmrig ~ /
cp src / config.json ~ /

Selecionando uma piscina (pool)

Existem muitas piscinas para escolher. Você pode encontrar uma lista em miningpoolstats.stream/monero.

Escolher um pool maior significa que você verá pagamentos mais frequentes (mas menores), mas escolher um pool menor ajuda a manter a rede descentralizada. Os mineiros não perderão nenhuma receita com a mineração em um reservatório menor.

Configurando o minerador

Navegue até a página da web do pool escolhido e leia sua documentação. Eles devem mencionar um endereço e uma porta para você entrar em seu minerador. Por exemplo, pool.xmr.pt:3333.

Em seguida, abra o config.json que você copiou ou extraiu anteriormente em seu editor de texto favorito. Role para baixo até a linha que diz donate.v2.xmrig.com:3333 e altere o texto dentro das aspas para o endereço do seu pool. A linha abaixo deve conter YOUR_WALLET_ADDRESS. Altere-o para o endereço real da carteira.

Após essas modificações, sua configuração deve ser semelhante a esta:

{
// […]

          “pools”: [

                               {

                              “url”: “pool.xmr.pt:3333”,

                             “user”: “43YjW8SZov …”

                                }

                           ],

 // […]

}

Iniciando o mineiro

Os usuários do Windows podem clicar duas vezes em xmrig.exe. Os usuários de outros sistemas operacionais devem entrar no diretório que contém o XMRig, digitar  ./xmrig e pressionar Enter.

Se você vir mensagens verdes informando que os compartilhamentos foram aceitos, parabéns, está tudo funcionando!

Solução de problemas

O antivírus continua removendo o XMRig

Alguns antivírus sinalizam o XMRig como malware porque costuma ser implantado em computadores infectados para minerar sem o consentimento do proprietário. Como é o seu computador e você está configurando o minerador para minerar para você, é seguro adicionar o XMRig à sua lista de permissões de antivírus.

Não é possível ler / definir MSR

Em algumas CPUs, o XMRig tenta aumentar o desempenho desativando certos recursos, como o pré-buscador de instruções da CPU. Essas operações requerem root / administrador, então tente clicar com o botão direito do mouse em xmrig.exe e executá-lo como administrador ou executar sudo ./xmrig em outros sistemas.

Algo desconhecido

Encontre a linha em config.json que diz algo: null e altere para algo: “rx / 0”. Por padrão, o XMRig espera que o pool informe qual algoritmo de hash usar.

Páginas enormes 0%

Permitindo páginas grandes no Windows

Retirado do MSDN:

1 – No menu Iniciar, clique em Executar. Na caixa Abrir, digite gpedit.msc.

2 – No console do Editor de Diretiva de Grupo Local, expanda Configuração do Computador e, em seguida, expanda Configurações do Windows.

3 – Expanda Configurações de segurança e, em seguida, expanda Diretivas locais.

4 – Selecione a pasta Atribuição de direitos do usuário.

5 – As políticas serão exibidas no painel de detalhes.

6 – No painel, clique duas vezes em Bloquear páginas na memória.

7 – Na caixa de diálogo Configuração de segurança local – Bloquear páginas na memória, clique em Adicionar usuário ou grupo.

8 – Na caixa de diálogo Selecionar Usuários, Contas de Serviço ou Grupos, adicione uma conta na qual você executará o minerador

9 – Reinicialize para que as alterações tenham efeito.

Você também pode precisar iniciar o minerador como administrador.

Permitindo páginas grandes no Linux

Em primeiro lugar, pare o minerador (se estiver em execução), execute os seguintes comandos para habilitar páginas grandes e, em seguida, inicie o minerador como root:

sudo sysctl -w vm.nr_hugepages=1168
sudo ./xmrig

Pode ser necessário aumentar 1168 dependendo de quantos nós NUMA sua (s) CPU (s) têm.

Permitindo páginas grandes no macOS

Páginas enormes não são suportadas no macOS.

O saldo não aumenta (da carteira)

A maioria dos pools são pools PPLNS, o que significa que você só é pago quando um mineiro no pool encontra um bloco. Se a piscina em que você está minerando for pequena, isso pode levar de alguns dias a semanas.

Além disso, todos os blocos encontrados devem amadurecer antes de serem pagos. Isso leva 60 blocos (aproximadamente 2 horas).

 

Conseguindo ajuda

Uma comunidade de mineração Monero ativa no Reddit é / r / MoneroSupport

Indo mais longe

Considere usar um sub endereço apenas para mineração, para evitar que seu endereço seja vinculado a diferentes serviços.

Considere usar o Tor para se conectar ao pool (ou a um pool de serviço oculto como HashVault, RespectXMR e MoneroOcean). Isso oculta a atividade de mineração do seu ISP e evita que o pool saiba quem você é.

Traduzido com adptações do getmonero.org, imagem pexels.com

porFernando Pinheiro

Vantagens e desvantagens em investir em Bitcoin

Embora esteja no mercado há mais de 10 anos, o Bitcoin têm chamado a atenção de investidores pequenos e institucionais devido a sua valorização crescente, no entanto, como qualquer outro ativo, ele possui algumas desvantagens e riscos os quais irei pormenorizar neste artigo.

Por que investir em Bitcoin?

São vários os motivos pelos quais levam as pessoas optarem em postergar o usufruto de seu dinheiro para um futuro, colocando-o nesta criptomoeda, em todo caso. As razões pelas quais elas se decidem a fazê-lo fazem parte dos benefícios e vantagens em investir em Bitcoin; portanto, vamos citar alguns deles:

1 – Alta liquidez.

Ninguém quer colocar seu suado dinheiro em um ativo e não conseguir liquidá-lo em um futuro, encontrando problemas para tal, um dos maiores medos e não encontrar quem queira comprá-lo, quanto isso, pode ficar tranquilo em relação ao Bitcoin, pois, recentemente, o mercado de criptomoedas alcançou a marca de 1 trilhão de dólares em circulação no mundo, conforme os dados da coinmarketcap.com

 

 

 

 

 

 

 

 

fonte: coinmarketcap.com

O Bitcoin, sozinho, representa 58% deste mercado, ou seja, mais de meio trilhão de dólares em circulação, sendo o principal ativo de troca nas corretoras, o que nos responde a segunda questão, caso tenham feito, que é onde comprar o ativo. As maiores  que utilizo corretoras são a Binance e a Bitmax.

2 – Rapidez nas transações

O Bitcoin em si não considero tão rápido no envio e recebimento dos ativos, o que demora em média 10 minutos, no entanto, uma vez com conta aberta nas corretoras de criptomoedas, já dentro do mundo da blockchain, prefiro converter este ativo em XRP (Ripple) ou TRX (Tron) cujas transferências são bem mais rápidas e baratas, sendo alguns centavos de dólares por transação e alguns segundos para o ativo sair da carteira A para carteira B.

Dito por outras palavras, independente de como conseguiu o Bitcoin, seja por causa de suas reservas financeiras, doação, venda de algum item que não mais utiliza, salário, quando se tratar de transferir de uma conta para outra, interessante convertê-lo primeiro para um dos ativos citados acima, para economizar na transação e logo em seguida converter novamente para BTC caso queira.

3 – Diminuição de intermediários diretos.

Como qualquer outro ativo na blockchain, a ideia principal é a não interferência de terceiros na transação, isto é, o ativo é transferido diretamente de A para B, sem a necessidade, por exemplo, de um banco ou de uma empresa que converta a moeda, quando passa de um país para outro. Lembramos que isto não significa que a transação será invisível, pois ativos como bitcoin deixam rastros, seja na própria blockchain, que é uma espécie de livro de contabilidade em nuvem, mostrando a carteira de quem envia e de quem recebe, seja nas próprias corretoras, ligadas ao Sistema Financeiro Nacional, nas quais, de uma ou outra forma, o Bitcoin será convertido em fiat money, em dinheiro.

4 – Taxas baratas

Como complemento do citado acima, da velocidade e da diminuição de intermediários, as taxas são, consecutivamente, mais baratas. Quando estava morando fora do país, por exemplo, era comum pagar uma taxa de R$100,00 para realizar um saque de uma conta localizada no Brasil nos Estados Unidos, em dólares americanos. Caso eu tivesse uma conta em uma exchange americana, e pudesse enviar a criptomoeda de uma corretora no Brasil, a taxa seria zero, não pagaria nada para isso.

5 – Descentralização

Principalmente na área financeira, mas também como ocorreu na área do entretenimento, notícias, as grandes empresas eram centralizadas com um grupo de pessoas decidindo como e quando o conteúdo, produto ou serviço seria distribuído, com o advento da blockchain os negócios estão se tornando descentralizados, realizados em cadeia, com validadores espalhados o mundo todo, cujas aplicações estão sendo programadas para serem realizadas automaticamente, sem a interferência humana.

Uma outra forma de explicar esta descentralização é citar por exemplo, o que aconteceria se um determinado governo central declarasse ilícito ou ilegal a posse do Bitcoin, como ocorre em poucos países do mundo.

Um líder governamental talvez gostasse da ideia do banimento definitivo ou talvez a exclusão do ativo, de uma só vez. Isso se torna impossível no cenário atual, uma vez que existem milhares de computadores fabricando este ativo e, possivelmente, enquanto existir a Internet e um computador ligado a Internet alguém pode receber este ativo.

Outra forma de visualizar a descentralização é que as corretoras as quais permitem a compra e venda do Bitcoin funcionam 24 horas, de domingo a domingo, muito porque, algumas delas são descentralizadas, rodando dentro da blockchain, automatizadas, com mínimo de interferência humana, diferentemente das corretoras tradicionais cujas ordens de compra e venda muitas vezes devem ser intermediadas por um broker, um profissional do mercado financeiro.

6 – Suprimento limitado, deflação

O bitcoin foi programado para que um número limitado de unidades ficasse em circulação no mundo, apenas 21 milhões de unidades. Isso não foi egoísmo ou coisa do tipo, uma vez que, como cada bitcoin pode ser dividido em até 100 milhões de vezes, que, certamente, bem divididos, daria para cada pessoa na Terra ter sua própria quantia de BTC. Veja uma imagem abaixo do site spectrocoin a qual mostra que cada fração do Bitcoin têm um nome específico, desde o Satoshi, passando pelo Mili Bitcoin até o Mega bitcoin:

fonte: spectrocoin.com

Ao contrário dos governos centrais, os quais imprimem dinheiro “à reveria”, loucamente, causando inflação nos países, pois pela lei da oferta e demanda, quanto mais de um ativo está disponível mais ele se torna barato, o Bitcoin, de forma programada, têm quantidade limitada no mercado, causa automaticamente a sua valorização, o que, de um certo ponto de vista, é um benefício, pois a cada dia pode-se comprar mais coisas com uma fração do Bitcoin, o que, infelizmente, ocorre de maneira contrária com o real principalmente, onde a cada dia temos que dispor de quantidade cada vez maior para comprar os mesmos itens, como a cesta básica de alimentos.

Pontos negativos, desvantagens

1 – Irreversibilidade nas transações

Embora para muitos esta característica das operações, como compra, venda e transferência do Bitcoin serem irreversíveis, isto é, impossíveis de serem desfeitas geram uma espécie de transparência e maturidade do bitcoin, veja pelo lado das pessoas que se arrependem de comprá-lo ou de transferi-lo, ou até mesmo quando o fazem por engano: basicamente não têm como reverter a situação, a menos que seja ativado uma terceira parte como uma ação judicial ou algo do tipo, o que irá depender, portanto, de uma avaliação pericial.

2 – Impossibilidade de recuperação de chave criptografada

Outra característica que pode ser elencada como uma desvantagem, bem explícita por diversas corretoras quando um cliente abre uma conta, é que, caso este venha a perder as chaves de acesso a conta, estas não podem ser recuperadas pelo cliente.

Isso não ocorre em 100% dos casos, por exemplo, o acesso à conta da Binance cada cliente pode recuperar o login e senha, pois, na verdade, o cliente não têm acesso real a sua carteira, ela é armazenada na corretora a qual faz gestão da carteira. Existem as chamadas carteiras frias, isto é, aquelas que não estão conectadas à Internet, nem mesmo à blockchain diretamente, um dos exemplos podemos citar a Ledger ou a Trezor, desta forma sim, caso você venha armazenar seus cripto ativos neste hardware e venha a perdê-lo, ou a senha que dá acesso a ele, pode ser difícil ou mesmo impossível recuperar.

 

3 – Grandes flutuações do mercado

Embora para alguns este possa ser um motivo de comemoração, em especial para os traders, os quais compram e vendem o ativo no curto e no curtíssimo prazo, para um investidor de longo prazo pode não ser uma boa as grandes flutuações e volatilidade do mercado, uma vez que, quando chegar a data de venda do ativo ou transferência do mesmo,  este pode estar até 30% a menos do valor adquirido, como se pode ver nos gráficos históricos do preço do Bitcoin.

 

fonte: tradingview.com

Na imagem ao lado  vemos uma desvalorização de quase 20% do ativo em menos de 15 dias, dentro do mês de março de 2021, descendo de 61 mil para 52 mil dólares.

4 – Baixa aceitação do mercado

Embora esteja se tornando cada vez mais popular, não é possível, ainda mais em mercados emergentes, sair por aí e gastar Bitcoin como quem vai à feira com dinheiro à vista ou mesmo ir a um mercado com um cartão de crédito, são poucas as empresas que aceitam este ativo com facilidade. Alguns esforços estão sendo realizados por corretoras, por exemplo, em disponibilizar um cartão de crédito cujo saldo está resguardado no valor em ativos na conta desta mesma corretora, o que pode facilitar o uso e liquidez do ativo, mas ainda é um cenário incipiente.

5 – Pouca regulação do mercado

Como todo e qualquer produto ou serviço novo no mercado, gera-se muita especulação e oportunismo, sendo veiculado na mídia o Bitcoin como integrante de fraudes, pirâmides financeiras e ator no mundo da ilicitude e corrupção, isto não se deve à baixa regulação, no meu ponto de vista, mas sim ao oportunismo de alguns e fragilidade de outros, ocorrendo mais fraudes e ilicitudes com dinheiro convencional, fiat money do que com cripto ativos.

Não há proibição, taxativamente, de gerar criptomoedas, por meio da mineração ou aquisição por meio de corretoras, as quais são fielmente reguladas e fiscalizadas pelos agentes do sistema financeiro nacional, aqui no Brasil, em 1º de agosto de 2019, houve uma instrução normativa, 1.888 da Receita Federal, anunciada em maio do mesmo ano, toda corretora que trabalhe com a negociação de criptomoedas – seja bitcoin ou qualquer altcoin – terá a obrigação de informar ao Fisco os dados de todas as transações de seus clientes.

Essa normativa é válida para pessoas jurídicas e pessoas físicas que movimentam mais de R$ 30 mil em criptomoedas num período de um mês.

Conclusão

Com os devidos apontamentos expostos, creio ser muito vantajoso adquirir ou negociar Bitcoin, especialmente numa visão de longo prazo, isto é, numa perspectiva  holding.  As desvantagens podem ser minimizadas com efetiva gestão de riscos e conhecimento do ativo, o qual têm uma larga avenida de crescimento em termos de valorização pela frente.

Clique no sininho vermelho no canto inferior direito do blog para receber atualizações.

porFernando Pinheiro

Como melhorar o aprendizado em finanças por meio da teoria dos jogos

Saiba como melhorar a curva de aprendizado por meio teoria e prática de jogos a fim de minimizar os riscos e aumentar as chances de se tornar um expert em investimentos.

Como reduzir o custo de aprendizado em finanças?

O conceito da curva de aprendizagem foi mencionado por Hermann Ebbinghaus em 1885. “Serve para explicar o comportamento competitivo de setores de rápido crescimento, nos quais, a todo o momento que a experiência acumulada dobra, os custos deveriam reduzir até 30% em razão da economia de escala gerada.” Percebe-se uma relação diretamente proporcional entre o tempo de estudo e sua respectiva diminuição dos custos neste processo, com o passar das semanas ou meses.

fonte da imagem: wikipedia

No gráfico acima podemos ver que há uma relação direta entre conhecimento em um determinado tópico e tempo desprendido em estudos sobre ele, embora parece algo óbvio, quando se trata de investimentos é incrível a quantidade de pessoas que, ao escolher se dedicar no mercado financeiro, entram em contas reais nas corretoras em vez da conta demo, sem  a qual pode se tornar um verdadeiro pesadelo para o investidor trade no curto prazo, talvez fazendo com que este desista do mercado diante das frequentes perdas de capital, típicas de um iniciante.

Utilizar uma conta demo permite o investidor testar técnicos da ferramenta ou implementação de estratégias sem a necessidade de perder seu capital, quando a estratégia vai contra o mercado. Quando falamos que podemos melhorar o aprendizado no tópico de finanças ou investimentos sem custo não significa exatamente que o custo será zero, em especial porque, de qualquer forma, o valor da hora de trabalho/estudo de cada pessoa muda de acordo com sua formação, experiência entre outros fatores, no entanto, este custo pode ser reduzido na medida em que não há necessidade de tirar dinheiro do seu fluxo de caixa para aprender quando se opera em uma conta demo, seja esta de futuros em blockchain ou de Forex.

Quais são as abordagens atuais da teoria dos jogos na melhoria da curva de aprendizado?

Para quem afirmar que, aprender em conta demo não transmite a “emoção necessária” para que o aprendizado seja satisfatório, vamos elencar 3 casos os a teoria de jogos parece ter funcionado bem:

1 – manchete da uol mostrando que a Confederação Brasileira de Tiro Esportivo estuda realizar um campeonato remoto onde os  atletas atiram dentro da própria casa, como meio para conseguir ao menos um brasileiro nas Olimpíadas em tal esporte, link da matéria pode ser consultado aqui

2 – outra matéria comenta dos esforços do Conselho Nacional de Trânsito é a utilização de jogos como ferramenta para renovação ou habilitação na carteira de motorista, perceba que este tipo de tecnologia já está sendo utilizada há 7 anos por este departamento, a matéria pode ser lida aqui

3 – um terceiro e último estudo de caso onde a prática de simuladores e jogos entram na lista de formas “práticas” de aprendizado com custo reduzido foi declarada por uma das referências em Educação Financeira no Mundo Robert Kiyosaki, o qual afirma que começou sua educação financeira desde os 9 anos de idade jogando Monopoly – uma versão do banco imobiliário no Brasil – nada mais do que um jogo, cuja estratégia evoluiu para o jogo Cash Flow Game – jogo do fluxo de dinheiro, que ele mesmo com sua esposa criou.

O jogo está disponível gratuitamente e pode ser jogado online – em inglês. Há versões impressas em português no mercado livre.

fonte: richdad.com

Quais são as corretoras que permitem a utilização de conta demo para testar técnicas em investimentos? quais suas diferenças?

fonte: autor

Conclusão

Constatamos que não só na área de finanças, mas em esportes, educação de trânsito, e muitas outras existe a utilização de jogos para melhorar a curva de aprendizado, o que pode transformar pessoas comuns em verdadeiros especialistas, com custo reduzido. 

Para quem se interessa nos mercados futuros tanto em criptomoedas como em Forex citamos algumas diferenças entre elas em termos de corretora para que o pequeno investidor faça suas próprias escolhas  e aproveite as variações de preço de mercado a seu favor, com custo mínimo.

 

 

porFernando Pinheiro

Economia digital: o que são os Dapps

Dentro da série de 3 artigos em sequência de blockchain, lhe mostraremos neste artigo um desdobramento da Tecnologia Blockchain, a qual está mudando a configuração da economia globalmente, por meio de aplicativos descentralizados, isto é, sem um comandatário central, uma empresa, privada ou pública que a controla totalmente

 

Aplicativos descentralizados (dApps) são aplicativos ou programas digitais que existem e são executados em uma rede de computadores blockchain ou P2P em vez de um único computador e estão fora do alcance e controle de uma única autoridade.

Aplicações descentralizadas explicadas

Um aplicativo Web padrão, como Uber ou Twitter, é executado em um sistema de computador que pertence e é operado por uma organização, dando-lhe total autoridade sobre o aplicativo e seu funcionamento. Pode haver vários usuários de um lado, mas o back-end é controlado por uma única organização.

O dApps podem ser executado tanto em uma rede P2P quanto em uma rede blockchain. Por exemplo, BitTorrent, Tor e Popcorn Time são exemplos de aplicativos executados em vários computadores que fazem parte de uma rede P2P em que há vários participantes de todos os lados – alguns estão consumindo o conteúdo, outros estão alimentando ou semeando o conteúdo, enquanto outros estão executando simultaneamente as duas funções.

No contexto da cryptomoedas , existem as dApps e executado em rede blockchain em um público, de código aberto , ambiente descentralizado e estão livres de controle e interferência de qualquer autoridade única.

Por exemplo, um desenvolvedor pode criar um dApp do tipo Twitter e colocá-lo em uma blockchain onde qualquer usuário pode twittar mensagens. Uma vez publicado, ninguém – incluindo os criadores do aplicativo – pode excluir os tweets. A edição pode ser possível pelo remetente, mas o tweet original seria mantido para sempre.

Quais são os exemplo destes aplicativos descentralizados, rodados em blockchain?

Na figura abaixo podemos ver, segundo o site dapp radar, uma lista de aplicativos os quais estão rodando na blockchain da Ethereum, o primeiro deles movimentou mais de 3 bilhões de dólares, o segundo, mais de 600 milhões de dólares e assim, por diante, mostrando que, embora seja um mercado recente, lá fora o pessoal está adotando estas plataformas, seja para fazer trade, jogar, utilizar carteiras para armazenar valores de criptomoedas entre outras ações. Lembramos que a utilização daquelas plataformas não estão sendo listadas aqui como recomendação, mas somente para ilustrar como as redes descentralizadas estão mudando a forma de lidar com valores, com ativos digitais, que, por si só, é um investimento de risco.
Clique aqui para ver a imagem em tamanho completo : link

 

Particularmente, passei a usar o navegador Brave, ele é mais rápido que o Google Chrome, tem as mesmas funcionalidades, promete dar mais privacidade na navegação, bloqueia automaticamente as propagandas e ainda promete pagar o usuário para este ver a publicidade que, porventura, aparecer. O pagamento se dá por meio de tokens.

Clique neste link e conheça o navegador

Conclusão

As redes blockchain, já são dezenas delas, desde que a primeira surgiu, criadora do Bitcoin, estão revolucionando a maneira como nós lidamos com os ativos digitais, além dos ativos como as criptomoedas, a blockchain pode ser vista como uma plataforma de criação, da mesma como como o Windows e o Linux foram para os computadores. Esta nova forma de lidar com tecnologia e ativos será cada vez mais presente na vida das pessoas, transformando a economia para uma faceta mais livre, participativa, colaborativa e conectada.

Fonte: adaptado de investopedia.com

porFernando Pinheiro

15 perguntas e respostas sobre Blockchain

Descubra nesta matéria o que é e quais são algumas das possibilidades do Blockchain, tanto para o mundo das finanças, saúde, segurança, transparência pública para indivíduos e empresas, públicas e privadas. Entenda também seus pontos fortes e pontos fracos.

Link de itens
1 – O que é Blockchain?
2 – Como o Blockchain funciona?
3 – O Blockchain é seguro?
4 – O que a Blockchain têm a ver com Bitcoin?
5 – A Blockchain têm dono? é controlada por quem?
6 – Como se dá a “posse” de um ativo na Blockchain?
7- Podemos afirmar que os dados na Blockchain são públicos? como este mecanismo a torna segura?
8 – Mas porque cargas dágua a Blockchain é tão importante? que utilidade prática esta pode ter para as empresas em geral – públicas e privadas?
09 – Qual seu uso para a área bancária?
10 – Qual a utilidade do blockchain para a criação de criptomoedas?
11 – Qual a utilidade para a área da saúde?
12 – Qual a utilidade do Blockchain para os serviços notariais e cartórios?
13 – Como poderá ser utilizada a Blockchain para a cadeia de suprimentos – logística?
14 – Quais são as vantagens e desvantagens do Blockchain? 
15 – Como o Blockchain pode ajudar economias em dificuldades?

1 – O que é Blockchain?

Se essa tecnologia é tão complexa, por que chamar de “blockchain”? No seu nível mais básico, a blockchain é literalmente apenas uma cadeia de blocos, mas não no sentido tradicional dessas palavras. Quando dizemos as palavras “bloquear” e “cadeia” nesse contexto, na verdade estamos falando de informações digitais (o “bloco”) armazenadas em um banco de dados público (a “cadeia”).

Os “blocos” na blockchain são compostos de informações digitais. Especificamente, eles têm três partes:

  1. Os blocos armazenam informações sobre transações como a data, hora e valor em dólares da sua compra mais recente na Amazon. (OBSERVAÇÃO: Este exemplo da Amazon é para compras ilustrativas; o varejo da Amazon não funciona com base no princípio da blockchain até o momento da redação)
  2. Os blocos armazenam informações sobre quem está participando de transações. Um bloco para sua compra de alarde da Amazon registraria seu nome junto com a Amazon.com, Inc. ( AMZN ). Em vez de usar seu nome real, sua compra é registrada sem nenhuma informação de identificação usando uma “assinatura digital” exclusiva, como um nome de usuário.
  3. Os blocos armazenam informações que os distinguem de outros blocos. Assim como você e eu temos nomes para nos diferenciar, cada bloco armazena um código exclusivo chamado “hash” que nos permite diferenciá-lo de todos os outros blocos. Hashes são códigos criptográficos criados por algoritmos especiais. Digamos que você tenha comprado uma folga na Amazon, mas enquanto estiver em trânsito, você decide que não pode resistir e precisa de uma segunda. Embora os detalhes da sua nova transação pareçam quase idênticos à sua compra anterior, ainda podemos distinguir os blocos por causa de seus códigos exclusivos.

Enquanto o bloco no exemplo acima está sendo usado para armazenar uma única compra da Amazon, a realidade é um pouco diferente. Um único bloco na blockchain Bitcoin pode realmente armazenar até 1 MB de dados. Dependendo do tamanho das transações, isso significa que um único bloco pode abrigar alguns milhares de transações sob o mesmo teto.

2 – Como o Blockchain funciona?

Quando um bloco armazena novos dados, ele é adicionado ao blockchain. Blockchain, como o próprio nome sugere, consiste em vários blocos unidos. Para que um bloco seja adicionado à blockchain, no entanto, quatro coisas devem acontecer:

  1. Uma transação deve ocorrer. Vamos continuar com o exemplo de sua compra impulsiva na Amazon. Depois de clicar apressadamente em várias solicitações de pagamento, você contraria seu bom senso e faz uma compra. Como discutimos acima, em muitos casos, um bloco agrupará potencialmente milhares de transações, portanto, sua compra na Amazon será embalada no bloco junto com as informações de transação de outros usuários.
  2. Essa transação deve ser verificada. Depois de fazer essa compra, sua transação deve ser verificada. Com o blockchain, no entanto, esse trabalho é deixado para uma rede de computadores. Quando você faz uma compra na Amazon, essa rede de computadores corre para verificar se sua transação ocorreu da maneira que você disse. Ou seja, eles confirmam os detalhes da compra, incluindo o tempo da transação, o valor em dólares e os participantes. (Mais sobre como isso acontece em um segundo.)
  3. Essa transação deve ser armazenada em um bloco. Depois que sua transação é verificada como precisa, ela recebe a luz verde. O valor em dólares da transação, sua assinatura digital e a assinatura digital da Amazon são todos armazenados em um bloco. Lá, a transação provavelmente se juntará a centenas ou milhares de outras pessoas como ela.
  4. Esse bloco deve receber um hash. Não muito diferente de um anjo ganhando asas, uma vez que todas as transações de um bloco foram verificadas, ele deve receber um código único de identificação chamado hash. O bloco também recebe o hash do bloco mais recente adicionado ao blockchain. Depois de hash, o bloco pode ser adicionado ao blockchain.

Quando esse novo bloco é adicionado ao blockchain, ele fica disponível ao público para qualquer um ver, até você. Se você der uma olhada na blockchain do Bitcoin , verá que tem acesso aos dados da transação, além de informações sobre quando (“Tempo”), onde (“Altura”) e por quem (“Retransmitido por”) o bloco foi adicionado ao blockchain.

3 – O Blockchain é seguro?

A tecnologia Blockchain responde pelos problemas de segurança e confiança de várias maneiras. Primeiro, novos blocos são sempre armazenados linear e cronologicamente. Ou seja, eles sempre são adicionados ao “fim” da blockchain. Se você der uma olhada na blockchain do Bitcoin, verá que cada bloco tem uma posição na cadeia, chamada de “altura”. Em janeiro de 2020, a altura do bloco superava 615.400.

Depois que um bloco foi adicionado ao final da blockchain, é muito difícil voltar e alterar o conteúdo do bloco. Isso ocorre porque cada bloco contém seu próprio hash, juntamente com o hash do bloco antes dele. Os códigos hash são criados por uma função matemática que transforma informações digitais em uma sequência de números e letras. Se essas informações forem editadas de qualquer forma, o código de hash também será alterado.

Eis por que isso é importante para a segurança. Digamos que um hacker tente editar sua transação da Amazon para que você tenha que pagar duas vezes pela compra. Assim que editarem o valor em dólares da sua transação, o hash do bloco será alterado. O próximo bloco da cadeia ainda conterá o hash antigo, e o hacker precisará atualizá-lo para cobrir seus rastros. No entanto, isso mudaria o hash desse bloco. E o próximo, e assim por diante.

Para alterar um único bloco, então, um hacker precisaria alterar cada bloco após o blockchain. Recalcular todos esses hashes exigiria uma quantidade enorme e improvável de poder de computação. Em outras palavras, uma vez que um bloco é adicionado ao blockchain, torna-se muito difícil editar e impossível excluir.

Para resolver a questão da confiança, as redes de blockchain implementaram testes para computadores que desejam ingressar e adicionar blocos à cadeia. Os testes, chamados “modelos de consenso”, exigem que os usuários “provem” a si mesmos antes de poderem participar de uma rede blockchain. Um dos exemplos mais comuns empregados pelo Bitcoin é chamado de “prova de trabalho”.

Na prova do sistema de trabalho , os computadores devem “provar” que fizeram o “trabalho”, resolvendo um complexo problema de matemática computacional. Se um computador resolver um desses problemas, ele se tornará elegível para adicionar um bloco ao blockchain. Mas o processo de adicionar blocos à blockchain, o que o mundo das criptomoedas chama de “mineração” não é fácil. De fato, as chances de resolver um desses problemas na rede Bitcoin eram de cerca de um em 15,5 trilhões em janeiro de 2020.  Para resolver problemas matemáticos complexos com essas probabilidades, os computadores devem executar programas que lhes custam quantidades significativas de energia e energia ( leia: dinheiro).

A prova de trabalho não inviabiliza os ataques de hackers, mas os torna um tanto inúteis. Se um hacker quisesse coordenar um ataque ao blockchain, ele precisaria controlar mais de 50% de todo o poder computacional do blockchain para poder sobrecarregar todos os outros participantes da rede. Dado o tamanho tremendo da blockchain do Bitcoin, um chamado ataque de 51% quase certamente não vale o esforço e é provavelmente impossível. (Mais sobre isso abaixo.)

4 – O que a Blockchain têm a ver com Bitcoin?

A tecnologia Blockchain foi delineada pela primeira vez em 1991 por Stuart Haber e W. Scott Stornetta, dois pesquisadores que queriam implementar um sistema em que os timestamps de documentos não pudessem ser adulterados. Mas foi quase duas décadas depois, com o lançamento do Bitcoin em janeiro de 2009, que o blockchain teve seu primeiro aplicativo no mundo real.

O protocolo Bitcoin é construído no blockchain. Em um trabalho de pesquisa que introduz a moeda digital, o criador pseudônimo do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, o chamou de “um novo sistema de caixa eletrônico que é totalmente ponto a ponto, sem terceiros confiáveis”.

Aqui está como isso funciona.

Você tem todas essas pessoas, em todo o mundo, que têm bitcoin. Provavelmente, existem muitos milhões de pessoas em todo o mundo que possuem pelo menos uma porção de um bitcoin. Digamos que um desses milhões de pessoas queira gastar seu bitcoin em compras. É aqui que a blockchain entra.

5 – A Blockchain têm dono? é controlada por quem?

Quando se trata de dinheiro impresso, o uso da moeda impressa é regulado e verificado por uma autoridade central, geralmente um banco ou governo – mas o Bitcoin não é controlado por ninguém (ou por todos, se considerarmos que os endereços são públicos e atualizados em tempo real) . Em vez disso, as transações feitas no bitcoin são verificadas por uma rede de computadores. É isso que a rede Bitcoin e a blockchain estão sendo “descentralizadas”.

Quando uma pessoa paga outra por mercadorias usando bitcoin, os computadores da rede Bitcoin correm para verificar a transação. Para fazer isso, os usuários executam um programa em seus computadores e tentam resolver um problema matemático complexo, chamado de “hash”. Quando um computador resolve o problema “hash” de um bloco, seu trabalho algorítmico também verifica as transações do bloco. Como descrito acima, a transação concluída é registrada publicamente e armazenada como um bloco na blockchain, momento em que se torna inalterável. No caso do Bitcoin e da maioria das outras blockchains, os computadores que verificam com êxito os blocos são recompensados ​​por seu trabalho com criptomoeda. Isso geralmente é chamado de “mineração”.

Embora as transações sejam registradas publicamente na blockchain, os dados do usuário não são – ou, pelo menos, não estão completos. Para realizar transações na rede Bitcoin, os participantes devem executar um programa chamado “carteira”. 

6 – Como se dá a “posse” de um ativo na Blockchain?

Cada carteira consiste em duas chaves criptográficas únicas e distintas: uma chave pública e uma chave privada. A chave pública é o local onde as transações são depositadas e retiradas. Essa também é a chave que aparece no livro-razão da blockchain como a assinatura digital do usuário.

Mesmo que um usuário receba um pagamento em bitcoins em sua chave pública, ele não poderá sacá-lo com a contraparte privada. A chave pública de um usuário é uma versão abreviada de sua chave privada, criada por meio de um algoritmo matemático complicado. No entanto, devido à complexidade dessa equação, é quase impossível reverter o processo e gerar uma chave privada a partir de uma chave pública. Por esse motivo, a tecnologia blockchain é considerada confidencial.

– Podemos afirmar que os dados na Blockchain são públicos? como este mecanismo a torna segura?

Na rede Bitcoin, o blockchain não é apenas compartilhado e mantido por uma rede pública de usuários – mas também é acordado. Quando os usuários ingressam na rede, o computador conectado recebe uma cópia do blockchain que é atualizada sempre que um novo bloco de transações é adicionado. Mas e se, por erro humano ou pelos esforços de um hacker, a cópia de um usuário da blockchain manipulada para ser diferente de qualquer outra cópia da blockchain?

O protocolo blockchain desencoraja a existência de várias blockchains por meio de um processo chamado “consenso”. Na presença de várias cópias diferentes da blockchain, o protocolo de consenso adotará a maior cadeia disponível. Mais usuários em uma blockchain significam que os blocos podem ser adicionados ao final da cadeia mais rapidamente. Por essa lógica, o blockchain de registro sempre será aquele em que a maioria dos usuários confia. O protocolo de consenso é um dos maiores pontos fortes da tecnologia blockchain, mas também permite uma de suas maiores fraquezas.

Teoricamente, à prova de hackers

Teoricamente, é possível que um hacker aproveite a regra da maioria no que é chamado de ataque de 51% . Aqui está como isso aconteceria. Digamos que existam cinco milhões de computadores na rede Bitcoin, um eufemismo bruto com certeza, mas um número fácil o suficiente para dividir. Para alcançar a maioria na rede, um hacker precisaria controlar pelo menos 2,5 milhões e um desses computadores. Ao fazer isso, um invasor ou grupo de invasores pode interferir no processo de registro de novas transações. Eles podiam enviar uma transação – e depois revertê-la, fazendo parecer que ainda tinham a moeda que acabaram de gastar. Essa vulnerabilidade, conhecida como gasto duplo, é o equivalente digital de uma falsificação perfeita e permitiria que os usuários gastassem seus bitcoins duas vezes.

Esse ataque é extremamente difícil de executar para uma blockchain da escala do Bitcoin, pois exigiria que um invasor ganhasse o controle de milhões de computadores. Quando o Bitcoin foi fundado em 2009 e seus usuários estavam em dezenas, seria mais fácil para um invasor controlar a maioria do poder computacional da rede. Essa característica definidora da blockchain foi sinalizada como uma fraqueza para as criptomoedas incipientes.

8 – Mas porque cargas dágua a Blockchain é tão importante? que utilidade prática esta pode ter para as empresas em geral – públicas e privadas?

Os bloqueios na blockchain armazenam dados sobre transações monetárias – nós resolvemos isso. Mas acontece que o blockchain é realmente uma maneira bastante confiável de armazenar dados sobre outros tipos de transações também. De fato, a tecnologia blockchain pode ser usada para armazenar dados sobre trocas de propriedades, paradas em uma cadeia de suprimentos e até votos em um candidato.

Rede de serviços profissionais A Deloitte recentemente pesquisou 1.000 empresas em sete países sobre a integração da blockchain em suas operações comerciais. Sua pesquisa descobriu que 34% já tinham um sistema blockchain em produção hoje, enquanto outros 41% esperavam implantar um aplicativo blockchain nos próximos 12 meses. Além disso, quase 40% das empresas pesquisadas relataram que investiriam US $ 5 milhões ou mais em blockchain no próximo ano. Aqui estão algumas das aplicações mais populares de blockchain que estão sendo exploradas hoje.

9 – Qual seu uso para a área bancária?

Talvez nenhum setor possa se beneficiar mais da integração da blockchain em suas operações de negócios do que do setor bancário. As instituições financeiras operam apenas durante o horário comercial, cinco dias por semana. Isso significa que, se você tentar depositar um cheque na sexta-feira às 18h, provavelmente terá que esperar até segunda-feira de manhã para ver o dinheiro chegar à sua conta. Mesmo se você fizer seu depósito durante o horário comercial, a transação ainda poderá levar de um a três dias para verificar devido ao grande volume de transações que os bancos precisam liquidar. Blockchain, por outro lado, nunca dorme.

Ao integrar a blockchain aos bancos, os consumidores podem ver suas transações processadas em menos de 10 minutos, basicamente o tempo necessário para adicionar um bloco à blockchain, independentemente da hora ou dia da semana. Com o blockchain, os bancos também têm a oportunidade de trocar fundos entre instituições de maneira mais rápida e segura. Nos negócios de negociação de ações, por exemplo, o processo de liquidação e compensação pode levar até três dias (ou mais, se os bancos estiverem negociando internacionalmente), o que significa que o dinheiro e as ações estão congelados nesse período.

Dado o tamanho das somas envolvidas, mesmo os poucos dias em que o dinheiro está em trânsito podem acarretar custos e riscos significativos para os bancos. O Santander, um banco europeu, estima a economia potencial em US $ 20 bilhões por ano . A Capgemini, uma consultoria francesa, estima que os consumidores possam economizar até US $ 16 bilhões em taxas bancárias e de seguros a cada ano por meio de aplicativos baseados em blockchain.

10 – Qual a utilidade do blockchain para a criação de criptomoedas?

O Blockchain é a base para criptomoedas como o Bitcoin. Como exploramos anteriormente, moedas como o dólar americano são reguladas e verificadas por uma autoridade central, geralmente um banco ou governo. Sob o sistema de autoridade central, os dados e a moeda de um usuário estão tecnicamente à vontade de seu banco ou governo. Se o banco de um usuário entrar em colapso ou morar em um país com um governo instável, o valor de sua moeda poderá estar em risco. Essas são as preocupações das quais o Bitcoin nasceu.

Ao espalhar suas operações por uma rede de computadores, o blockchain permite que o Bitcoin e outras criptomoedas operem sem a necessidade de uma autoridade central. Isso não apenas reduz o risco, mas também elimina muitas das taxas de processamento e transação. Também oferece aos países com moedas instáveis ​​uma moeda mais estável com mais aplicativos e uma rede mais ampla de indivíduos e instituições com quem eles podem fazer negócios, tanto no mercado interno quanto no internacional (pelo menos, esse é o objetivo).

11 – Qual a utilidade para a área da saúde?

Os prestadores de serviços de saúde podem aproveitar a blockchain para armazenar com segurança os registros médicos de seus pacientes. Quando um registro médico é gerado e assinado, ele pode ser gravado no blockchain, que fornece aos pacientes a prova e a confiança de que o registro não pode ser alterado. Esses registros pessoais de saúde podem ser codificados e armazenados no blockchain com uma chave privada, para que sejam acessíveis apenas por certos indivíduos, garantindo assim a privacidade

12 – Qual a utilidade do Blockchain para os serviços notariais e cartórios? 

Se você já passou algum tempo no escritório local do registrador, saberá que o processo de registro dos direitos de propriedade é oneroso e ineficiente. Hoje, uma ação física deve ser entregue a um funcionário do governo no escritório de gravação local, onde é inserida manualmente no banco de dados central e no índice público do município. No caso de uma disputa de propriedade, as reivindicações da propriedade devem ser reconciliadas com o índice público.

Esse processo não é apenas caro e demorado – também é repleto de erros humanos, onde cada imprecisão torna o rastreamento da propriedade menos eficiente. O Blockchain tem o potencial de eliminar a necessidade de digitalizar documentos e rastrear arquivos físicos em um escritório de gravação local. Se a propriedade for armazenada e verificada na blockchain, os proprietários poderão confiar que suas ações são precisas e permanentes.

13 – Como poderá ser utilizada a Blockchain para a cadeia de suprimentos – logística? 

Os fornecedores podem usar o blockchain para registrar as origens dos materiais que compraram. Isso permitiria às empresas verificar a autenticidade de seus produtos, além de rótulos de saúde e ética como “Orgânico”, “Local” e “Comércio Justo”.

Conforme relatado pelo site Ecommerce Brasil, a indústria de alimentos está adotando blockchain para rastrear cada vez mais o caminho e a segurança dos alimentos ao longo da jornada da fazenda para o usuário.

14 – Quais são as vantagens e desvantagens do Blockchain?

Por toda a sua complexidade, o potencial da blockchain como forma descentralizada de manutenção de registros é quase ilimitado. De maior privacidade do usuário e maior segurança, taxas mais baixas de processamento e menos erros, a tecnologia blockchain pode muito bem ver aplicativos além dos descritos acima.

Prós

  • Maior precisão, removendo o envolvimento humano na verificação
  • Reduções de custo, eliminando a verificação de terceiros
  • A descentralização torna mais difícil adulterar
  • As transações são seguras, privadas e eficientes
  • Tecnologia transparente

Contras

  • Custo de tecnologia significativo associado à mineração de bitcoin
  • Transações baixas por segundo
  • História de uso em atividades ilícitas
  • Suscetibilidade de ser hackeado

Aqui estão os pontos de venda da blockchain para empresas no mercado hoje em mais detalhes.

Precisão da cadeia

As transações na rede blockchain são aprovadas por uma rede de milhares ou milhões de computadores. Isso remove quase todo o envolvimento humano no processo de verificação, resultando em menos erro humano e em um registro mais preciso das informações. Mesmo que um computador na rede cometesse um erro computacional, o erro seria cometido apenas em uma cópia do blockchain. Para que esse erro se espalhe para o resto da blockchain, ele precisaria ser cometido por pelo menos 51% dos computadores da rede – uma quase impossibilidade.

Redução de custos

Normalmente, os consumidores pagam um banco para verificar uma transação, um notário para assinar um documento ou um ministro para realizar um casamento. O Blockchain elimina a necessidade de verificação de terceiros e, com ela, os custos associados. Os empresários incorrem em uma pequena taxa sempre que aceitam pagamentos com cartão de crédito, por exemplo, porque os bancos precisam processar essas transações. O Bitcoin, por outro lado, não possui uma autoridade central e praticamente não possui taxas de transação.

Descentralização

O Blockchain não armazena nenhuma de suas informações em um local central. Em vez disso, o blockchain é copiado e espalhado por uma rede de computadores. Sempre que um novo bloco é adicionado ao blockchain, todos os computadores da rede atualizam seu blockchain para refletir a mudança. Ao espalhar essas informações por uma rede, em vez de armazená-las em um banco de dados central, a blockchain se torna mais difícil de adulterar. Se uma cópia do blockchain caísse nas mãos de um hacker, apenas uma cópia da informação, em vez de toda a rede, seria comprometida.

Transações eficientes

As transações efetuadas através de uma autoridade central podem levar alguns dias para serem liquidadas. Se você tentar depositar um cheque na noite de sexta-feira, por exemplo, poderá não ver fundos na sua conta até segunda-feira de manhã. Enquanto as instituições financeiras operam durante o horário comercial, cinco dias por semana, o blockchain está trabalhando 24 horas por dia, sete dias por semana. As transações podem ser concluídas em cerca de dez minutos e podem ser consideradas seguras após apenas algumas horas. Isto é particularmente útil para transfronteiriços comércios, que normalmente têm muito mais tempo por causa de problemas de fuso horário e o fato de que todas as partes devem confirmar processamento de pagamentos.

Transações privadas

Muitas redes blockchain operam como bancos de dados públicos, o que significa que qualquer pessoa com uma conexão à Internet pode visualizar uma lista do histórico de transações da rede. Embora os usuários possam acessar detalhes sobre transações, eles não podem acessar informações de identificação sobre os usuários que fazem essas transações. É uma percepção equivocada comum de que redes de blockchain como bitcoin são anônimas, quando na verdade são apenas confidenciais.

Ou seja, quando um usuário faz transações públicas, seu código exclusivo chamado chave pública é registrado na blockchain, em vez de suas informações pessoais. Embora a identidade de uma pessoa ainda esteja vinculada ao seu endereço de blockchain, isso impede que hackers obtenham informações pessoais de um usuário, como pode ocorrer quando um banco é invadido.

Transações seguras

Depois que uma transação é registrada, sua autenticidade deve ser verificada pela rede blockchain. Milhares ou até milhões de computadores na blockchain correm para confirmar que os detalhes da compra estão corretos. Após um computador validar a transação, ela é adicionada ao blockchain na forma de um bloco. Cada bloco na blockchain contém seu próprio hash exclusivo, juntamente com o hash exclusivo do bloco antes dele. Quando as informações de um bloco são editadas de qualquer forma, o código de hash do bloco é alterado – no entanto, o código de hash do bloco depois disso. Essa discrepância torna extremamente difícil que as informações sobre o blockchain sejam alteradas sem aviso prévio.

Transparência

Embora as informações pessoais sobre o blockchain sejam mantidas em sigilo, a própria tecnologia é quase sempre de código aberto. Isso significa que os usuários da rede blockchain podem modificar o código como entenderem, desde que possuam a maior parte do poder computacional da rede para apoiá-los. Manter os dados no código-fonte aberto da blockchain também dificulta muito a manipulação de dados. Com milhões de computadores na rede blockchain a qualquer momento, por exemplo, é improvável que alguém possa fazer uma alteração sem ser notado.

Desvantagens do Blockchain

Embora haja vantagens significativas para o blockchain, também existem desafios significativos para sua adoção. Os obstáculos à aplicação da tecnologia blockchain atualmente não são apenas técnicos. Os verdadeiros desafios são políticos e regulatórios, em grande parte, para não falar das milhares de horas (leia-se: dinheiro) de design de software personalizado e programação de back-end necessárias para integrar o blockchain às redes de negócios atuais. Aqui estão alguns dos desafios que impedem a ampla adoção da blockchain.

Custo da tecnologia

Embora o blockchain possa economizar dinheiro dos usuários em taxas de transação, a tecnologia está longe de ser gratuita. O sistema de “prova de trabalho” que o bitcoin usa para validar transações, por exemplo, consome grandes quantidades de energia computacional. No mundo real, a energia de milhões de computadores na rede de bitcoin é próxima do que a Dinamarca consome anualmente . Toda essa energia custa dinheiro e, de acordo com um estudo recente da empresa de pesquisa Elite Fixtures, o custo da mineração de um único bitcoin varia drasticamente por local, de apenas US $ 531 a impressionantes US $ 26.170.

Com base nos custos médios de serviços públicos nos Estados Unidos, esse número está mais próximo de US $ 4.758. Apesar dos custos de mineração de bitcoin, os usuários continuam aumentando suas contas de eletricidade para validar transações na blockchain. Isso ocorre porque quando os mineradores adicionam um bloco à blockchain do bitcoin, eles são recompensados ​​com bitcoin suficiente para fazer com que seu tempo e energia valham a pena. Quando se trata de blockchains que não usam criptomoeda, no entanto, os mineradores precisam ser pagos ou incentivados a validar transações.

Ineficiência de velocidade

Bitcoin é um estudo de caso perfeito para as possíveis ineficiências da blockchain. O sistema de “prova de trabalho” do Bitcoin leva cerca de dez minutos para adicionar um novo bloco ao blockchain. Nesse ritmo, estima-se que a rede blockchain possa gerenciar apenas sete Transações Por Segundo (TPS). Embora outras criptomoedas como Ethereum (20 TPS) e Bitcoin Cash (60 TPS) tenham um desempenho melhor que o bitcoin, elas ainda são limitadas pela blockchain. A marca herdada Visa, por contexto, pode processar 24.000 TPS.

Atividade ilegal

Embora a confidencialidade na rede blockchain proteja os usuários contra hackers e preserve a privacidade, ela também permite comércio e atividade ilegais na rede blockchain. O exemplo mais citado de blockchain sendo usado para transações ilícitas é provavelmente o Silk Road , um mercado online da “dark web” que opera de fevereiro de 2011 a outubro de 2013, quando foi fechado pelo FBI.

O site permitiu aos usuários navegar no site sem serem rastreados e fazer compras ilegais em bitcoins. A regulamentação atual dos EUA impede que os usuários de trocas on-line, como aqueles construídos em blockchain, tenham total anonimato. Nos Estados Unidos, as trocas on-line devem obter informações sobre seus clientes quando abrirem uma conta, verificar a identidade de cada cliente e confirmar que os clientes não aparecem em nenhuma lista de organizações terroristas conhecidas ou suspeitas.

As atividades ilegais já ocorrem, infelizmente com o dinheiro comun, não é de se espantar que a tecnologia seja usada por ciber criminosos, sendo um desafio contante para as autoridades minimizar este acontecimento

15 – Como o Blockchain pode ajudar economias em dificuldades?

Quando muitos investidores nos EUA ouvem a palavra ” blockchain “, pensam imediatamente em criptomoedas e por um bom motivo. A impressionante nova tecnologia fornece o suporte necessário para o rastreamento e transação descentralizada e anônima de moedas digitais em todo o mundo. No entanto, como muitos setores estão descobrindo, a tecnologia blockchain também permite muitos outros usos e aplicativos.

De seguros e imóveis a crowdfunding e gerenciamento de dados , as aplicações potenciais da tecnologia blockchain são numerosas e é provável que também haja novas maneiras de adaptar essa tecnologia ao mundo comercial em geral. Mas um uso importante da tecnologia blockchain pode estar fora do mundo dos negócios principais: algumas das nações mais pobres do mundo podem se beneficiar da integração da tecnologia blockchain de várias maneiras.

Protegendo Crianças

A República Democrática do Congo, um país da África Central devastada por uma guerra devastadora e prolongada que levou a milhões de mortes, é rotineiramente listada entre as nações mais pobres do mundo. Agora, um relatório do Bitcoin News destaca um projeto previsto para ser lançado ainda este ano, que poderia ajudar a proteger as crianças do trabalho forçado. Este projeto fornecerá aos fabricantes globais de dispositivos de alta tecnologia, como Smartphone, uma garantia de que o cobalto usado nas baterias de íons de lítio não foi extraído por crianças. A República Democrática do Congo tem um problema significativo com os locais de mineração informal, muitos dos quais incluem crianças trabalhadoras.

O país possui metade das reservas de cobalto em todo o mundo, e isso pode ser benéfico para a economia em dificuldades nos próximos anos, principalmente porque os carros elétricos tendem a se tornar cada vez mais populares. De fato, para o ano de 2016, o Congo extraiu 54% das 123.000 toneladas de cobalto geradas em todo o mundo.

Necessidades básicas

Na Venezuela, onde a hiperinflação provocou escassez dramática de necessidades básicas e alimentos, bitcoin e outras criptomoedas podem ajudar a aliviar a tensão. Dado seu uso global e a relativa facilidade de pagamentos e transferências internacionais, a criptomoeda tem sido uma alternativa viável a um dinheiro fiduciário local cada vez mais problemático  para muitos cidadãos venezuelanos.

O Haiti, ainda sofrendo danos causados ​​por furacões e terremotos causados ​​na última década, e com uma renda per capita bruta nacional de apenas US $ 810, de acordo com o censo mais recente, também se beneficia do blockchain. O governo haitiano sugeriu que a tecnologia blockchain poderia ser usada para registrar e registrar transações de propriedade, votação, propriedade intelectual  e outros aspectos da burocracia .

Para Paul Domjan, chefe global de pesquisa, análise e dados do banco de investimentos Exotix, os países emergentes são os beneficiários mais promissores da tecnologia blockchain. Ele argumenta que, porque “os mercados fronteiriços na América Latina, África Subsaariana e Sul da Ásia ficam muito atrás [na área de registro de propriedade], com desempenho médio inferior a metade do das economias com melhor desempenho”, eles estão preparados pelos benefícios do blockchain.

O pesquisador da Anistia Internacional Mark Dummett manifestou apoio cauteloso à integração do blockchain nos esforços para resolver esses e outros problemas que afetam os países em desenvolvimento, dizendo que “é preciso ter cuidado com soluções tecnológicas para problemas que também são políticos e econômicos, mas o blockchain pode ajudar Não somos contra. “

Além dos aplicativos listados acima, os apoiadores do blockchain acreditam que isso poderia melhorar a distribuição de serviços governamentais nesses países, ajudar a fornecer serviços de identidade e até mesmo melhorar a liberdade de expressão e atividades anticorrupção. Todas essas idéias são promissoras no papel, mas ainda a implementação de grandes projetos ainda precisa se concretizar, embora várias empresas e projetos tenham discutido planos e possíveis aplicações.

Fonte: adaptado do site investopedia.com, imagens de Image by Pete Linforth from Pixabay

porFernando Pinheiro

30 Perguntas e Respostas sobre Bitcoin

Por meio das Perguntas e Respostas, saiba quase tudo sobre este ativo digital que está se tornando uma opção de investimento para aqueles que sabem como poupar e investir bem. Perceba que, sendo um investimento de risco, limite seu capital na entrada com este ativo em sua carteira.

1 – O que é Bitcoin?

O Bitcoin é uma moeda digital ponto a ponto distribuída que pode ser transferida instantaneamente e com segurança entre duas pessoas no mundo. É como dinheiro eletrônico que você pode usar para pagar amigos ou comerciantes.

2 – O que são bitcoins?

Bitcoins são a unidade monetária do sistema Bitcoin. Uma abreviação comumente usada para isso é “BTC” para se referir a um preço ou valor (por exemplo, “100 BTC”). Um bitcoin é apenas um número associado a um endereço de bitcoin . Um bitcoin físico é simplesmente um objeto, como uma moeda, com o número cuidadosamente incorporado. 

3- Como posso obter bitcoins?

Existem várias maneiras de adquirir bitcoins:

  • Aceite bitcoins como pagamento por bens ou serviços.
  • Você pode comprar bitcoins de Bitit Coinbase , PayBis , Mercado Bitcoin
  • Existem vários serviços onde você pode trocá-los por moeda tradicional. Existem sites de comparação de preços nos quais você pode comparar preços em várias bolsas, corretores e revendedores
  • Você também pode comprar bitcoins usando caixas eletrônicos Bitcoin localmente na sua área.
  • Encontre alguém para trocar dinheiro por bitcoins pessoalmente através de um diretório local .
  • Participe de um pool de mineração .
  • Se você possui muito hardware de mineração, pode minerar sozinho e tentar criar um novo bloco (atualmente gera 12,5 bitcoins mais taxas de transação).

4- O Bitcoin garante um influxo de dinheiro grátis?

Como o Bitcoin é uma nova tecnologia, o que é e como funciona pode ser inicialmente incerto. Às vezes, o Bitcoin é apresentado como uma das três coisas:

  1. Algum tipo de golpe on-line ‘fique rico rapidamente’.
  2. Uma brecha na economia de mercado, cuja instalação garante um fluxo constante de dinheiro.
  3. Um investimento seguro que quase certamente renderá lucro.

De fato, nenhuma das opções acima é verdadeira. Vamos olhar para eles de forma independente.

5 – O Bitcoin é um esquema de enriquecimento rápido?

Se você passou muito tempo na Internet, provavelmente viu anúncios de muitos esquemas de enriquecimento rápido. Esses anúncios geralmente prometem enormes lucros por pequenas quantidades de trabalho fácil. Tais esquemas geralmente são esquemas de pirâmide / matriz que ganham dinheiro com seus próprios funcionários e não oferecem nada de valor real. A maioria convence quem compra pacotes que os fazem ganhar centenas por dia, o que de fato faz com que o comprador distribua mais anúncios desse tipo e obtenha lucros mínimos.

Bitcoin não é de forma alguma semelhante a esses esquemas. Bitcoin não promete lucros inesperados. Não há como os desenvolvedores ganhar dinheiro com seu envolvimento ou tirar dinheiro de você. Que bitcoins são quase impossíveis de adquirir sem o consentimento do proprietário representa um dos seus maiores pontos fortes. Bitcoin é uma moeda virtual experimental que pode ter sucesso ou falhar. Nenhum de seus desenvolvedores espera ficar rico com isso.

6 – Como investimento, o Bitcoin é uma coisa certa?

O Bitcoin é uma moeda eletrônica nova e interessante, cujo valor não é apoiado por nenhum governo ou organização. Como outras moedas, vale algo em parte porque as pessoas estão dispostas a trocá-lo por bens e serviços. Sua taxa de câmbio flutua continuamente e, às vezes, de maneira descontrolada. Falta ampla aceitação e é vulnerável à manipulação por partes com financiamento modesto. Incidentes de segurança como comprometimento de site e conta podem desencadear grandes vendas. Outras flutuações podem gerar loops de feedback positivo e causar flutuações na taxa de câmbio muito maiores. Quem coloca dinheiro no Bitcoin deve entender o risco que está assumindo e considerá-lo uma moeda de alto risco. Mais tarde, à medida que o Bitcoin se torna mais conhecido e amplamente aceito, ele pode se estabilizar, mas por enquanto é imprevisível.

7 – Posso comprar bitcoins com Paypal?

Embora seja possível encontrar um indivíduo que deseja vender Bitcoin para você via Paypal, a maioria das trocas não permite financiamento via PayPal. Isso ocorre devido a casos repetidos em que alguém paga bitcoins com o Paypal, recebe seus bitcoins e, de forma fraudulenta, reclama com o Paypal que nunca recebeu sua compra. O PayPal geralmente acompanha o comprador fraudulento nesse caso, o que significa que qualquer vendedor precisa cobrir esse risco com taxas mais altas ou se recusar a aceitar o PayPal completamente.

Ainda é possível comprar Bitcoins de indivíduos dessa maneira, mas exige que o vendedor tenha alguma confiança de que o comprador não entrará com uma reclamação no PayPal para reverter o pagamento.

8 – O Bitcoin pode ser encarado como uma nova tecnologia?

A tecnologia subjacente do Bitcoin é chamada de cadeia de blocos , uma cadeia de blocos sempre crescente. Este termo significa um banco de dados distribuído ou razão pública de ativos que consiste em blocos com transações. Cada nó da rede possui uma cópia desse banco de dados.

Para transferir fundos, o remetente precisa assinar uma mensagem com 1. O valor da transação 2. Informações do destinatário por meio de sua chave privada criptográfica. Depois disso, a transação será transmitida para a Rede Bitcoin e depois incluída no livro público. Usando o serviço baseado na Web, o Block Explorer, qualquer pessoa pode verificar dados históricos e em tempo real sobre as transações de bitcoin sem a necessidade de baixar o software.

A tecnologia blockchain é reivindicada como uma inovação, pois abre portas para novos aplicativos relacionados à transferência de valor. Contratos inteligentes é apenas um exemplo dessa aplicação.

9 – De onde os Bitcoins são gerados?

Enquanto as moedas são cunhadas, o papel-moeda é impresso, o dinheiro digital é extraído.

As regras de funcionamento da mineração de Bitcoin são definidas pelo protocolo Bitcoin e implementadas em seu software. A criptomoeda Bitcoin usa o algoritmo POW (prova de trabalho) para criar suprimento de bitcoins e verificar transações. Também é reivindicada ser uma das possíveis defesas contra ataques de DoS. Para evitar isso, a rede exige dos mineradores que comprovem que algum trabalho foi realizado por eles (daí o nome, prova de trabalho).

A rede fornece aos mineradores um quebra-cabeça matemático difícil de resolver, mas fácil de verificar computacionalmente. O mineiro usa energia computacional para resolver o problema de matemática indicado, a fim de produzir o bloco válido. Após a conclusão do desafio, o mineiro envia seu trabalho para outros nós para validação. Em troca, o mineiro que encontrou um bloco recebe primeiro uma recompensa e taxas de transação incluídas nesse bloco.

Nota : A dificuldade desse quebra-cabeça matemático aumenta com o crescente número de mineiros. Com o aumento da dificuldade, torna-se impossível extrair individualmente, portanto, os mineradores precisam ingressar nas piscinas de mineração.

Os blocos são extraídos a cada 10 minutos, em média, e nos primeiros quatro anos (210.000 blocos), cada bloco inclui 50 novos bitcoins. À medida que a quantidade de poder de processamento direcionada à mineração muda, a dificuldade de criar novas bitcoins muda. Esse fator de dificuldade é calculado a cada bloco de 2016 e baseia-se no tempo necessário para gerar os blocos de 2016 anteriores.

10 – Onde posso encontrar um fórum para discutir o Bitcoin?

Neste link há uma hastag no Facebook onde axistem conversas sobre https://www.facebook.com/hashtag/bitcoin n.

11 – Qual é o número total atual de bitcoins existentes?

Veja também o gráfico Total de bitcoins na circulação

O número de blocos vezes o valor da moeda de um bloco é o número de moedas existentes. O valor da moeda de um bloco é de 50 BTC para cada um dos primeiros 210.000 blocos, 25 BTC para os próximos 210.000 blocos, depois 12,5 BTC, 6,25 BTC e assim por diante.

12 – Quão divisíveis são os bitcoins?

Um bitcoin pode ser dividido em 8 casas decimais. Portanto, 0,00000001 BTC é o menor valor que pode ser tratado em uma transação. Se necessário, o protocolo e o software relacionado podem ser modificados para lidar com quantidades ainda menores.

13 – Como chamo as várias denominações de bitcoin?

Diferentemente da maioria das moedas, os valores do Bitcoin são altamente divisíveis. Isso levou ao desejo de criar nomes para denominações menores de quantias de bitcoin, especialmente porque as transações envolvendo bitcoins inteiros não são mais tão comuns. O Bitcoin é descentralizado, então não há organização que possa definir nomes oficiais para as unidades. Portanto, existem muitas unidades diferentes com diferentes graus de popularidade. A partir de 2014, as unidades mais comuns são bitcoins, bits e satoshi: 1 bitcoin = 1 000 000,00 bits = 100 000 000 satoshi.

O bitcoin (abreviado BTC ou XBT ) é a unidade usada no software da carteira Bitcoin original criado por Satoshi Nakamoto . Não há nada de especial nesta unidade, mas é de longe a unidade mais comum devido à tradição.

O menor valor que a rede Bitcoin suporta o envio é o satoshi (às vezes abreviado por sat ), cem milionésimo (0,000 000 01) de um bitcoin. Em outras palavras, a rede não suporta o envio de frações de um satoshi. Como é um limite rígido, parece natural usá-lo como uma unidade, embora atualmente tenha muito pouco valor. A unidade foi nomeada em homenagem ao criador do Bitcoin depois que ele saiu – ele não era tão vaidoso a ponto de nomear uma unidade em seu nome. O plural de satoshi é satoshi: “Envie-me 100 satoshi”.

Outra unidade comum é o bit , um milionésimo (0,000 001) de um bitcoin. Esta unidade é igual a um microbitcoin (μBTC). Alguns bits são vistos por alguns como especialmente lógicos porque têm precisão de dois decimais, como a maioria das moedas fiduciárias. Você pode enviar 1,23 bits, mas não 1,234 bits devido à precisão limitada da rede.

14 – Quanto tempo leva para gerar todas as moedas?

O último bloco que irá gerar moedas será o bloco 6.929.999, que deve ser gerado no ano 2140 ou próximo a ele. O número total de moedas em circulação permanecerá estático em 20.999.999.9769 BTC.

15 – Mas se não forem geradas mais moedas, o que acontece quando os Bitcoins são perdidos? Isso não será um problema?

Por causa da lei da oferta e demanda, quando menos bitcoins estiverem disponíveis, os que restarem terão maior demanda e, portanto, terão um valor mais alto. Assim, à medida que os Bitcoins são perdidos, os bitcoins restantes acabarão aumentando em valor para compensar.. Este é um modelo econômico deflacionário . À medida que o tamanho médio das transações diminui, as transações provavelmente serão denominadas em subunidades de um bitcoin, como millibitcoins (“Millies”) ou microbitcoins (“Mikes”).

O protocolo Bitcoin usa uma unidade base de um milhão de milionésimos de um Bitcoin (“a Satoshi”), mas bits não utilizados estão disponíveis nos campos de protocolo que podem ser usados ​​para indicar subdivisões ainda menores.

16 – Se todas as transações são transmitidas pela rede, o Bitcoin é escalável?

A camada base da blockchain não é muito escalável, mas as tecnologias da camada 2 podem ser usadas para aumentar consideravelmente a escala do bitcoin. O Ethereum é um exemplo que usa contratos inteligentes para construir uma rede onde os pagamentos são roteados ao longo de um caminho, em vez de inundados para todos os pares. Esses pagamentos podem ser quase tão seguros e irreversíveis quanto as transações de blockchain, mas têm uma escalabilidade muito melhor (também suportam pagamentos instantâneos muito mais privados). 

17 – De onde vem o valor do Bitcoin? O que faz o backup do Bitcoin?

Bitcoins têm valor porque são úteis e porque são escassos . À medida que são aceitos por mais comerciantes, seu valor se estabiliza .

Quando dizemos que uma moeda é apoiada em ouro, queremos dizer que existe uma promessa de que você pode trocar a moeda por ouro. Bitcoins, como dólares e euros, não são apoiados por nada, exceto pela variedade de comerciantes que os aceitam.

É um equívoco comum que os Bitcoins ganhem seu valor com o custo de eletricidade necessário para gerá-los. Custo não é igual a valor – contratar 1.000 homens para cavar um grande buraco no chão pode ser caro, mas não valioso. Além disso, embora a escassez seja um requisito crítico para uma moeda útil, ela sozinha não produz nada valioso. Por exemplo, suas impressões digitais são escassas, mas isso não significa que elas tenham algum valor de troca.

Como alternativa, é preciso acrescentar que, embora a lei da oferta e demanda se aplique, ela não garante o valor dos Bitcoins no futuro. Se a confiança nos Bitcoins for perdida, não importará que a oferta não possa mais ser aumentada, a demanda cairá com todos os titulares que tentam se livrar de suas moedas. Um exemplo disso pode ser visto nos casos de moedas do estado, nos casos em que o estado em questão se dissolve e, portanto, nenhuma nova oferta da moeda está disponível (a autoridade central que administra a oferta se foi), no entanto, a demanda pela moeda cai acentuadamente porque a confiança em seu poder de compra desaparece. Obviamente, os Bitcoins não têm essa autoridade central para gerenciar o fornecimento das moedas, mas isso não impede que a confiança se estrague devido a outras situações que não são necessariamente previsíveis.

18 – Bitcoin é uma bolha?

Não, está no preço justo, lembre-se que ninguém o regula, seu preço é dado é função da oferta e procura. Eles só têm valor em troca e não têm valor inerente. Se todos repentinamente parassem de aceitar seus dólares, euros ou bitcoins, a “bolha” explodiria e seu valor cairia a zero. Mas é improvável que isso aconteça: mesmo na Somália, onde o governo entrou em colapso há 20 anos, xelins somalis ainda são aceitos como pagamento.

19 – O Bitcoin é um esquema de Ponzi?

Em um esquema Ponzi, os fundadores convencem os investidores a lucrar. O Bitcoin não oferece essa garantia. Não existe uma entidade central, apenas indivíduos que constroem uma economia.

Um esquema de ponzi é um jogo de soma zero. Os que adotam cedo apenas podem lucrar à custa dos que adotam tarde. Bitcoin tem possíveis resultados ganha-ganha. Os que adotam cedo lucram com o aumento do valor. Os adotantes tardios e, de fato, a sociedade como um todo, se beneficiam da utilidade de uma moeda p2p estável, rápida, barata e amplamente aceita.

O fato de os primeiros adotantes se beneficiarem mais não torna nada um esquema de Ponzi. Todos os bons investimentos em empresas de sucesso têm essa qualidade.

20 – O Bitcoin não beneficia injustamente os primeiros usuários?

Os primeiros usuários do Bitcoin estão arriscando e investindo recursos em uma tecnologia não comprovada. Ao fazer isso, eles ajudam o Bitcoin a se tornar o que é agora e o que será no futuro (espero que seja uma moeda digital descentralizada onipresente). É justo que eles colhem os benefícios de seu investimento bem-sucedido.

De qualquer forma, qualquer bitcoin gerado provavelmente mudará de mãos dezenas de vezes como meio de troca, portanto o lucro obtido com a distribuição inicial será insignificante em comparação com o comércio total permitido pelo Bitcoin. Muitos dos primeiros usuários do Bitcoin negociaram suas moedas com valores abaixo de US $ 1, ou outras quantias pequenas em comparação com os preços contemporâneos.

21 – A perda de carteiras e a quantidade finita de Bitcoins não criarão deflação excessiva, destruindo o Bitcoin?

As preocupações sobre o Bitcoin ser destruído pela deflação não são totalmente infundadas. Ao contrário da maioria das moedas, que experimentam inflação à medida que suas instituições fundadoras criam cada vez mais unidades, o Bitcoin provavelmente sofrerá uma deflação gradual com o passar do tempo. O Bitcoin é único, pois apenas uma pequena quantidade de unidades será produzida (21 milhões para ser exato), esse número é conhecido desde o início do projeto e as unidades são criadas a uma taxa previsível.

Além disso, os usuários de Bitcoin enfrentam um perigo que não ameaça usuários de qualquer outra moeda: se um usuário de Bitcoin perde sua carteira, seu dinheiro desaparece para sempre, a menos que ele o encontre novamente. E não apenas para ele; ficou completamente fora de circulação, tornou-se totalmente inacessível a qualquer pessoa. Como as pessoas perderão suas carteiras, o número total de Bitcoins diminuirá lentamente.

Portanto, o Bitcoin parece enfrentar um problema único. Enquanto a maioria das moedas aumenta com o tempo, o Bitcoin provavelmente fará exatamente o oposto. O tempo verá a perda irrecuperável de um número cada vez maior de Bitcoins. Um número já pequeno será permanentemente reduzido cada vez mais. E à medida que se tornam cada vez menos Bitcoins, as leis de oferta e demanda sugerem que seu valor provavelmente aumentará continuamente.

Assim, o Bitcoin é obrigado a se desviar mais uma vez em território misterioso, porque ninguém sabe exatamente o que acontece com uma moeda que cresce continuamente mais valiosa. Muitos economistas afirmam que um nível baixo de inflação é uma coisa boa para uma moeda, mas ninguém sabe ao certo o que pode acontecer a uma moeda que esvazia continuamente. Embora a deflação dificilmente possa ser chamada de fenômeno raro, a deflação constante e constante é inédita. Pode haver muita especulação, mas ninguém tem dados concretos para fazer backup de suas reivindicações.

De fato, a divisibilidade infinita deve permitir que o Bitcoins funcione em casos de perda extrema da carteira. Mesmo que, no futuro distante, tantas pessoas tenham perdido suas carteiras que apenas um único Bitcoin, ou uma fração de uma, permaneça, o Bitcoin deve continuar funcionando bem. Ninguém pode afirmar ter certeza do que vai acontecer, mas a deflação pode se mostrar uma ameaça menor do que muitos esperam.

22 E se alguém comprou todos os Bitcoins existentes?

Os mercados de Bitcoin são competitivos – o que significa que o preço de um bitcoin aumentará ou diminuirá dependendo da oferta e demanda a determinados níveis de preço. Apenas uma fração dos bitcoins emitidos até o momento é encontrada nos mercados de câmbio para venda. Portanto, mesmo que tecnicamente, um comprador com muito dinheiro possa comprar todos os bitcoins oferecidos para venda, a menos que aqueles que detêm o restante dos bitcoins também os ofereçam à venda, mesmo o comprador mais rico e determinado não possa obtê-los.

Além disso, a nova moeda continua a ser emitida diariamente e continuará a fazê-lo por décadas; embora com o tempo a taxa em que são emitidos diminua para níveis insignificantes. Aqueles que estão minerando não são obrigados a vender seus bitcoins, então nem todos os bitcoins chegarão ao mercado mesmo.

Essa situação não sugere, no entanto, que os mercados não sejam vulneráveis ​​à manipulação de preços. Não é preciso quantia significativa de dinheiro para subir ou descer o preço de mercado e, portanto, o Bitcoin continua sendo um ativo volátil.

23 – O Bitcoin está aberto à manipulação de valor?

O atual limite de mercado baixo do Bitcoin significa que qualquer investidor com bolsos profundos o suficiente pode alterar / manipular significativamente a taxa. Isso é um problema?

Isso é apenas um problema se você estiver investindo no Bitcoin por um curto período de tempo. Um manipulador não pode mudar os fundamentos e, por um período de 5 a 10 anos, os fundamentos vencerão qualquer manipulação de curto prazo.

24 – Por que tenho que esperar 10 minutos antes de gastar o dinheiro que recebi?

10 minutos é o tempo médio necessário para encontrar um bloco. Pode ser significativamente mais ou menos tempo que isso, dependendo da sorte; 10 minutos é simplesmente o caso médio.

Blocos (mostrados como ” confirmações ” na GUI) são como o Bitcoin alcança consenso sobre quem é o dono do quê. Depois que um bloco é encontrado, todos concordam que agora você possui essas moedas, para que possa gastá-las novamente. Até lá, é possível que alguns nós da rede acreditem no contrário, se alguém estiver tentando fraudar o sistema revertendo uma transação. Quanto mais confirmações tiver uma transação, menor será o risco de reversão. Apenas 6 blocos ou 1 hora é suficiente para tornar a reversão computacionalmente impraticável. Isso é muito melhor do que os cartões de crédito, pois podem ocorrer estornos até três meses após a transação original!

25 – O que acontece quando alguém me envia um bitcoin, mas meu computador está desligado?

Bitcoins não são realmente “enviados” para sua carteira; o software usa esse termo apenas para que possamos usar a moeda sem precisar aprender novos conceitos. Sua carteira é necessária apenas quando você deseja gastar as moedas que recebeu.

Se você receber moedas quando o programa cliente da carteira não estiver em execução e posteriormente iniciar o programa cliente da carteira, as moedas aparecerão como se tivessem acabado de ser recebidas na carteira. Ou seja, quando o programa cliente é iniciado, ele deve fazer o download dos blocos e acompanhar as transações que ainda não conhecia.

26 – Quais fatores influenciam o preço do Bitcoin?

  • Declarações governamentais

Os principais fatores que fazem o preço do Bitcoin subir e descer são as declarações oficiais do governo sobre a adoção e o regulamento do Bitcoin. O papel principal pertence ao governo dos Estados Unidos, pois os bitcoins são negociados principalmente por dólares americanos.

  • Meios de Comunicação de Massa

A mídia de massa fornece o elo essencial entre o indivíduo e as demandas da sociedade tecnológica.A partir desta cotação, é fácil adivinhar que os movimentos dos preços do Bitcoin podem coincidir com os eventos cobertos pela mídia de massa. Notícias publicadas por famosas edições da FinTech ou algumas declarações postadas no Twitter por líderes de opinião influenciam as tendências de preços do Bitcoin, pois a maioria das pessoas costuma usar o estado de visão das pessoas e empresas influentes.

  • Demanda

Quanto mais o usarmos na vida cotidiana, mais ampla será a adoção. Enquanto comerciantes como Amazon, Ebay e Google estão adotando bitcoins, a demanda por bitcoins está crescendo, influenciando o crescimento dos preços como resultado. Outros fatores influentes são as ordens de venda / compra colocadas no mercado. Aqui, as leis econômicas usuais são colocadas em ação: mais traders estão dispostos a comprar bitcoins – mais ganhos em bitcoin em seu valor e, se houver mais pedidos de venda, isso resulta em empobrecimento do bitcoin.

  • 5. Altcoins

O mercado de Altcoins também afeta o preço do bitcoin. O surgimento de altcoins graves pode distrair a atenção do público do Bitcoin. Muitos investidores, comerciantes e usuários começam a usar as altcoins que parecem ser mais sérias e prospectivas em seu ponto de vista em comparação com o bitcoin. Por meio deste, observaremos a queda no preço do bitcoin devido à diminuição da demanda.

27 – 1. Qual é o imposto pago pelo investidor quando opera com criptomoedas/criptoativos?

A modalidade de imposto pago é o “Imposto de Renda”, cuja abreviação é IR.

28 – Quem tem que pagar o IR?

O próprio investidor. É sua responsabilidade calcular, declarar as movimentações e pagar o IR de suas operações com criptoativos. Sendo assim, ninguém ou nenhum outro órgão (nem mesmo a exchange ou o banco pela qual você liquida) será responsável por essas tarefas.

29 – O que é considerado criptoativo para efeitos de tributação?

Criptoativo é a representação digital de valor denominada em sua própria unidade de conta, cujo preço pode ser expresso em moeda soberana local ou estrangeira, transacionado eletronicamente com a utilização de criptografia e de tecnologias de registros distribuídos, que pode ser utilizado como forma de investimento, instrumento de transferência de valores ou acesso a serviços, e que não constitui moeda de curso legal.

30 – Se eu tiver prejuízos em Bitcoin, pago imposto?

Não. O ganho de capital é apurado somente sobre lucro.