Resenha do livro A ciência para ficar rico – parte 03

porFernando Pinheiro

Resenha do livro A ciência para ficar rico – parte 037 min read

A ciência para ficar rico se trata de um livro considerado best seller, publicado por Wallace D. Walltes,  para aqueles que desejam encontrar os princípios e estratégias para alcançar a riqueza, inspirou o filme do segredo que conquistou milhões de famílias ao redor do globo, em 2006.

Atenção: a resenha não é um resumo, isto é, não representa uma cópia ou análise fiel da obra referenciada, são apenas comentários e observações do livro, caso queira adquirir a obra na íntegra, clicar neste link: e-book da amazon

Ouça a resenha do livro aqui:


Antes de concluir um pensamento, o autor faz questão de repetir os pontos principais da obra:

1 – existe uma matéria pensante (inteligente) da qual todas as coisas são feitas, a qual, em sua forma originária, penetra, permeia e preenche todos os espaços do universo;

2 – um pensamento pode “imprimir” aquilo que se pensa nesta matéria amorfa;

3 – uma pessoa pode tornar realidade este pensamento ao materializá-lo por meio da ação proposital;

4 – deve tomar as devidas ações de forma eficiente

Neste último aspecto, o autor comenta que, nas horas livres, a fixação do pensamento naquilo que se deseja deve ser realizada, a fim de impregnar a mente e o corpo  no entusiasmo e expectativa de sua realização, fora dos momentos de lazer, a pessoa deve focar toda a sua personalidade no momento presente, focar e direcionar a sua energia lembrando da visualização da imagem que deseja, sabendo que ela virá pelos meios naturais, sem artifícios, sem magia ou qualquer outro meio competitivo.

Os meios naturais também podem ser chamados de Divinos, já que toda a criação é obra dele. Não é ficando atarefado o dia todo que a realização dos objetivos virão, nem deixando de fazer aquilo que deve ser feito, mas a eficiência em cada ato é que conta.

O sucesso, segundo o autor, é a somatória de cada ato que aproxima a pessoa da realização dos seus desejos, portanto, tomar uma atitude ou a omissão dela, pode atrasar, caso seja fracassada, a concretização dos seus desejos.

São inimagináveis os caminhos da realização de nossas visualizações, não compete a nós averiguar ou monitorar se a realização está chegando ou não, mas sim fazer aquilo que compete a cada um, cumprir o papel que está a desempenhar no momento presente, o restante a criação irá fazer, às vezes aparentemente lenta, mas seguramente.

Sobre estar na profissão correta, algumas considerações são explanadas:

  • Será mais fácil, no sentido de menor esforço, conseguir ficar rico nas atividades as quais você já têm familiaridade, seja um artesão, advogado, carpinteiro, professor, programador etc.
  • Não necessariamente você ficará rico na profissão que exerce hoje, haja vista que há pessoas as quais não gostam de sua profissão e, a executando sem gostar, atrapalham ou impedem a realização da riqueza em sua vida;
  • Ainda que execute um trabalho que não gosta, você pode apreciar esta execução se mantiver a vista interior visualizando possíveis oportunidades se fizer o que têm de ser feito agora, de maneira correta
  • Não há pressa para a troca de campo de atuação, você não pode demorar ou agir lentamente, mas, caso ser necessário trocar de campo de atuação, o faça de maneira sábia, sem instinto de competição.

Mais adiante o autor mui sabiamente fala da prosperidade, um instituto universal que busca manifestação em todas as coisas, a própria natureza quer e prospera na multiplicação dos frutos, os animais e todos os seres viventes procuram a prosperidade na sua expressão mais alta, todos querem mais, mais saúde, mais riqueza, mais prazer, mais contentamento, mais reconhecimento, é uma manifestação natural, a forma de exercer e atrair prosperidade é atuar com o pensamento próspero, no comércio ou nas atividades profissionais é dar mais de valor utilitário do que recebe em valor monetário, é mostrar que todos aqueles que entram em contato contigo tendem a ganhar mais por estarem próximas de você, mesmo que não façam negócios.

O Pensamento da prosperidade pode ser transmitido em cada transação, por menor que esta seja, as pessoas evitam estarem próximas de pessoas que não transmitem confiança e que possam perder aquilo que têm.

O autor ainda adverte de não utilizar o poder que naturalmente encontra aqueles que se utilizam dos princípios do livro para controlar ou exercer domínio sobre os outros, reis, príncipes e chefes de Estado têm cometido crimes como guerras e derramado muito sangue para se manter ou conquistar o poder, a fim de subjugar o outro. 

Ele indica a lei áurea: faça aos outros aquilo que deseja para você e, como referência, mais uma vez usa passagens bíblicas comentando que Jesus Cristo disse: “mais será dado aquele que têm e, aqueles que não têm  pouco que têm lhes será retirado e dado aqueles que têm”.

Como complementação do agir com pensamento de prosperidade, o autor ainda dá detalhes sobre como e onde procurar promoção ou deixar com que novas e melhores oportunidades apareçam independente da atividade profissional exercida: desenvolver o hábito de agir prosperamente!

Comenta que o mundo anseia e espera pessoas prósperas, líderes em seu campo de atuação que as inspire e a instigue a ir mais além, os professores que ensinarem a lei da prosperidade para seus alunos irão prosperar, o médico que, de maneira inspiradora e próspera atender seus pacientes, estes irão procurá-lo, o pastor que ensinar as leis da riqueza a seus fiéis, virão ver seus templos cheios e as pessoas ficarão satisfeitas de ouvirem, mas, adverte, o púlpito somente não será suficiente para atrair e manter os seguidores, mas a forma de se viver também deve inspirar confiança, prosperidade e maneira correta de se viver.

A ciência para ficar rico, como algo matemático, serviu no passado e irá servir no futuro para todos aqueles que a seguem, infalivelmente.

Como advertência, o autor comenta que não devemos colocar a culpa em terceiros por não alcançarmos a riqueza, como por exemplo nos governos, ele até admite sim, que os governos podem influenciar grandemente a questão de sermos ou não ricos, eles têm a possibilidade de deixar as pessoas pobres, mas mantê-las indefinidamente na pobreza é um erro, pois não há governo do mundo que consiga segurar uma pessoa que adote os princípios descritos neste livro como o pensamento e atitude corretas, com o propósito inabalável de se conseguir o que quer, sem precisar prejudicar outras pessoas no caminho.

Ele adverte que, no caminho da prosperidade, caso haja o encontro com seitas ou grupos que defendam contrariamente os preceitos deste livro, o melhor seria evitá-las, não compensa nem mesmo discutir sobre o fato, por exemplo aquelas que defendem que o mundo caminha para algo pior, que a economia está piorando, sem pensar nas possibilidades que estão vindo ao mesmo tempo, que as pessoas estão sem dinheiro, que a ganância dos grandes industriais está engolindo os pobres, enfim, todas estas teorias são baseadas na escassez, oriundas de séculos passados, na verdade, nunca houve tanto dinheiro no mundo, tantas formas de se enriquecer e basta as pessoas estarem abertas, disponíveis e preparadas para a recepção da realização para que a riqueza venha a acontecer.

O autor comenta que a sintonização com a riqueza e gratidã do universo têm de ser tal que, mesmo com a não realização imediata de determinado negócio ou circunstância, é para que outros melhores tenham espaço para chegar, na firme convicção que existe uma mentalidade superior guiando os acontecimentos de sua vida e do mundo, que não falha.

Sobre o Autor

Fernando Pinheiro administrator

Fernando Pinheiro é formado em Administração de Empresas com especialização em Gestão Empresarial. Professor convidado em várias Universidades do Noroeste e Norte do Paraná, montou este blogue sobre Finanças e Investimentos para ajudar a você se tornar mais próspero.

Deixe uma resposta